Perguntas Frequentes

O que pode acontecer após um AVC?

O AVC pode prejudicar diversas partes do organismo. Uma das sequelas comuns é a paralisia completa de um lado do corpo, chamada de hemiplegia, ou a fraqueza de um lado do corpo (hemiparesia).  Boa parte dos afetados apresenta disfunção da deglutição, o que prejudica a ingestão de alimentos. O acidente vascular cerebral também pode causar problemas cognitivos, de aprendizado e atenção. Em alguns casos, podem surgir problemas emocionais como depressão, isolamento, irritabilidade, impaciência e impulsividade. Em 25% dos pacientes, pode ocorrer um novo AVC em cinco anos.

Quanto mais velho, maior o risco de desenvolver um AVC?

Sim. O AVC torna-se mais comum com o passar dos anos. Com a idade, nossos vasos sanguíneos tornam-se menos elásticos, o que pode levar ao desenvolvimento de hipertensão arterial e, consequentemente, maior risco de AVC. O risco duplica a cada década após 55 anos de idade. Desta forma, com o aumento da expectativa de vida, a prevalência de da doença tenderá a aumentar.

É comum sentir cansaço após um AVC?

Sim. O corpo está se recuperando dos efeitos da lesão cerebral e a exaustão é um sintoma comum após um AVC. As tarefas do dia a dia podem exigir maior concentração e esforço do que antes.

O AVC é hereditário?

A doença não é hereditária. Mas famílias com histórico de AVC e doenças cardiovasculares e outros fatores de risco podem ter mais chances de desenvolver o problema de saúde.

Qual a relação entre apneia do sono e AVC?

Estudos sugerem que a apneia do sono é um fator de risco para o AVC, além de outros eventos cardiovasculares. As doenças do sono afetam o sistema respiratório e aumentam o risco de AVC interferindo na hipertensão arterial e doenças cardíacas, reduzindo o fluxo sanguíneo cerebral.

Quem sofreu um AVC pode realizar atividades físicas?

Sim, o paciente pode praticar atividade física, desde que tenha orientação adequada. Os exercícios favorecem muitos aspectos físicos e também psicossociais. A prática de programas de exercícios físicos pode melhorar a capacidade cardiovascular, a habilidade de marcha e a força muscular de braços e pernas. Pesquisas também mostram que os benefícios da prática de exercício acabam protegendo o paciente, reduzindo os sintomas de depressão, melhorando a atenção, memória e diminuindo o cansaço.

É possível manter relações sexuais após o AVC?

Sim. O paciente precisa recuperar a intimidade com a parceira com conhecimento de que algumas partes do corpo não terão sensibilidade. Também é preciso saber que a chance de ocorrer outro AVC durante a relação sexual é muito baixa.

O AVC afeta a memória?

Infelizmente sim. Quando o lado direito do corpo é afetado pelo AVC, podem surgir dificuldades de memória, como não lembrar nomes. Quando é o lado esquerdo atingido, o paciente tem dificuldades de lembrar o que viveram há poucos instantes.  Dependendo da gravidade do acidente, a memória pode voltar de forma parcial ou completamente.