Terapia-alvo e imunoterapia para melanoma avançado estão na pauta da Conitec

Terapia-alvo e imunoterapia para melanoma avançado estão na pauta da Conitec

88ª Reunião Ordinária apresentará informações adicionais sobre novos tratamentos para melanoma avançado não cirúrgico e metastático, que foi alvo de consulta-pública em janeiro desse ano
Matéria publicada em 06.07.2020


Redação LAL - A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) realiza a 88ª Reunião Ordinária entre os dias 7 e 9 de julho. A incorporação de novas terapias para melanoma avançado está na pauta da reunião. Durante esses três dias, serão analisados mais de 21 itens, entre tecnologias que serão apreciadas pela primeira vez e outras que seguirão para consulta pública. É a primeira reunião que será realizada via internet devido a pandemia do novo coronavírus.

Segundo informações da comissão, entre as tecnologias avaliadas estão o medicamento bortezomibe para mielona múltiplo e o citrato de tofacitinibe para artrite psoríaca. Além disso, no dia 8, serão apresentadas informações adicionais sobre a terapia-alvo (vemurafenibe, dabrafenibe, cobimetinibe, trametinibe) e imunoterapia (ipilimumabe, nivolumabe, pembrolizumabe) para o tratamento de primeira linha do melanoma avançado não cirúrgico e metastático.

Segundo a pauta da reunião, também está prevista a apresentação das contribuições das consultas públicas sobre as diretrizes brasileiras para diagnóstico do Mesotelioma Maligno de Pleura e do Linfoma de Hodgkin. Consulte aqui a pauta completa. 

Atuação do LAL

Em janeiro de 2020, a Conitec realizou a consulta pública MS-SCTIE nº 85/19, para a inclusão de novas opções terapêuticas (terapia-alvo e imunoterapia) para o tratamento em primeira linha do melanoma avançado não cirúrgico e metastático. No momento, o SUS oferece para os pacientes de câncer de pele melanoma metastático somente o medicamento dacarbazina, conforme orientação da Diretriz Diagnóstica e Terapêutica (DDT) para Melanoma Cutâneo.

Durante o período que a consulta esteve aberta para receber contribuições, o Instituto Lado a Lado pela Vida atuou ativamente com uma campanha nas redes sociais, incentivando a participação da sociedade e explicando a importância de cada brasileiro fazer parte desse processo. "A população precisa participar ativamente das decisões que vão impactar o atendimento no SUS. Entender como pode pressionar os órgãos responsáveis e participar das consultas públicas realizadas por eles são medidas importantes para melhorar o sistema público de saúde no Brasil. Como uma instituição de pacientes, o Instituto Lado a Lado busca esclarecer e incentivar essa participação", coloca a presidente do Instituto LAL, Marlene Oliveira.

O LAL acompanha e realiza, há anos, discussões e fóruns sobre como as novas tecnologias já são uma realidade para tratar os pacientes com maior efetividade e proporcionar a eles melhor qualidade de vida, oferecendo enormes potenciais de cura, em especial, do caso do câncer melanoma metastático.
 
Para o Instituto LAL, a Nova Cara do Câncer e a disponibilização de tratamentos eficazes podem revolucionar o SUS e a vida dos pacientes. "Não é mais possível ignorar os fatos e simplesmente negar a possibilidade de uma discussão mais profunda entre as partes (CONITEC, MS e as Farmacêuticas - BMS, MSD, Novartis e Roche) até se encontrar um caminho viável para dar aos pacientes com diagnóstico de Melanoma atendidos pelo SUS, a chance de receber um tratamento mais eficaz para combater a doença. O Instituto Lado a Lado se empenhou para que a população participasse da consulta pública e segue acompanhando de perto o desenrolar do tema. O bem-estar do paciente é o objetivo principal do nosso trabalho e esperamos que ele tenha os melhores tratamentos disponíveis", afirma Marlene Oliveira.