Trombose: uma doença mortal que pode ser evitada

Trombose: uma doença mortal que pode ser evitada

O câncer e os seus diversos tratamentos são fatores de risco para o desenvolvimento de trombo (coágulos)  - Artigo publicado em 13.10.2020


O tromboembolismo venoso (TEV) é uma doença perigosa que pode levar a morte se não diagnosticada e tratada com atenção. Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), ao ano, cerca de 10 milhões de casos de TEV são observados no mundo. Mas, afinal, o que é TEV?

O TEV é a formação de trombos - coágulos de sangue - nas veias profundas do corpo. As pernas são os membros mais atingidos por esse problema, ocasionando a trombose venosa profunda (TVP). No entanto o coágulo pode se deslocar para o pulmão e provocar a embolia pulmonar (EP).

De acordo com o Instituto de Hematologia, Hemostasia e Trombose (IHHT), o TEV é um problema de saúde pública, sendo uma das maiores causas de óbito mundial. Atinge 1 a cada 1.000 pessoas/ano e apesar de acontecer em qualquer idade é mais frequente com o avançar dos anos.

A doença é multifatorial causada por fatores genéticos e adquiridos. Hospitalização, trauma, viagem aérea, obesidade e pílula anticoncepcional podem ocasionar o TEV.

Outro importante fator de risco é o câncer e os seus diversos tratamentos. Um em cada cinco pacientes com neoplasia apresentará Tromboembolismo Venoso (TEV) durante a evolução natural da doença. "A magnitude dessa complicação é tamanha que se estima que pacientes oncológicos que desenvolvem TEV apresentem 94% de probabilidade de morte nos seis meses seguintes ao episódio. Portanto, o TEV pode ser considerado um marcador preditivo negativo na sobrevida dos pacientes oncológicos", diz a Dra. Marina Bond, cardiologista e cardio-oncologista do Centro Paulista de Oncologia - Grupo Oncoclínicas

A doença é a segunda causa de morte em pacientes com neoplasias, sendo que, um em cada sete tem o óbito relacionado a complicações, principalmente no período hospitalar. Desses pacientes, 60% têm câncer em sítio único ou doença metastática limitada. Os tipos de câncer mais prevalentes entre pacientes com TEV são os de mama, colorretal e de pulmão.

Para a Dra. Marina Bond, não só a presença de um tumor maligno atua para aumentar o risco de trombose em pacientes oncológicos, mas também, estados de imobilização, algumas quimioterapias, pós-operatório e implante de cateter de longa duração. É preciso ficar atento aos sintomas do TEV "Os sintomas variam desde inchaço e dor no membro afetado, principalmente nas pernas, até quadros graves de falta de ar intensa e súbita, associado a palpitação, dessaturação e até dor torácica. Se o paciente com câncer apresentar tais sintomas, deve procurar imediatamente a emergência e contatar seu médico", explica a cardio-oncologista.

O TEV é uma doença evitável. A prevenção é feita por meio de anticoagulantes. Em pacientes oncológicos essa dosagem deve ser recomendada e verificada com médicos especialistas.

Dia 13 de outubro - Dia Mundial da Trombose

O dia 13 de outubro foi definido como o Dia Mundial da Trombose. A data prevê uma série de eventos educacionais que visam a conscientização da população e da comunidade de saúde sobre a importância da análise de risco e prevenção, já que a doença é considerada como a causa de morte evitável mais comum em pacientes hospitalizados.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estabeleceu uma meta de reduzir, até 2025, em 25% as mortes prematuras causadas por doenças não transmissíveis. Isso inclui a TEV.

Mas, por que o dia 13 de outubro?  A data foi escolhida para homenagear o aniversário do médico alemão Rudolf Virchow. Considerado o pai da patologia e da medicina social. Foi ele quem elucidou o mecanismo do tromboembolismo.

A tríade de Virchow foi criada pelo médico e define que a propagação de um trombo se dá por anomalias no fluxo sanguíneo, na parede do vaso sanguíneo e nos componentes do sangue.