Olaparibe recebe novas indicações de tratamento aprovadas pela Anvisa

Olaparibe recebe novas indicações de tratamento aprovadas pela Anvisa

Lynparza® comprimidos, da farmacêutica AstraZeneca, poderá ser usado no tratamento de câncer de ovário e de pâncreas
Matéria publicada em 01.07.2020


Redação LAL - Duas novas indicações terapêuticas de Lynparza® comprimidos (olaparibe), da farmacêutica AstraZeneca, foram aprovadas em maio e junho de 2020. O medicamento poderá ser usado no tratamento de câncer de ovário e de pâncreas.

O medicamento poderá ser usado em monoterapia no tratamento de manutenção de pacientes adultos com adenocarcinoma de pâncreas metastático com mutação germinativa no gene BRCA, cuja doença não progrediu com quimioterapia em primeira linha baseada em platina. 

Também poderá ser combinado com bevacizumabe no tratamento de manutenção de pacientes adultas com carcinoma epitelial avançado (estágio FIGO III-IV) de ovário (incluindo trompa de Falópio ou peritoneal primário) e que respondem (resposta completa ou parcial) à quimioterapia em primeira linha, baseada em platina em combinação com bevacizumabe. 

O olaparibe pertence à classe dos inibidores de PARP (poli [adenosina difosfato-ribose] polimerase), que são enzimas importantes para o reparo da cadeia simples de DNA. Ao se ligar à PARP associada ao DNA, o olaparibe bloqueia o reparo do DNA, levando à destruição das células cancerosas, segundo informações da AstraZeneca.

"Esperamos que seja mais uma opção terapêutica que faça a diferença na vida de pacientes de câncer de ovário e pâncreas e classe médica, reforçando o compromisso da AstraZeneca de colocar o paciente em primeiro lugar", afirmou a farmacêutica AstraZeneca em comunicado, lembrando que a aprovação regulatória pela ANVISA não garante o acesso ao medicamento nos sistemas público e privado de saúde. Para isso, ele precisa também ser aprovado pelos órgãos competentes.