Verónica Hughes e sua mensagem de otimismo

Verónica Hughes e sua mensagem de otimismo

"É uma questão de otimismo", dizia Verónica Hughes enquanto mostrava, durante o I Workshop Instituto Lado a Lado pela Vida Câncer de Pulmão, em 31 de maio de 2016, fotos de pacientes que participam nos Estados Unidos de estudos clínicos sobre a doença. "Você não é diagnosticado com câncer de pulmão e acabou", fez questão de ressaltar à plateia que observava atenta aquela mulher guerreira, que enfrentava com força a doença por mais de uma década.

Nem a história de dor fazia Verónica perder o otimismo. "Perdi pai e mãe de câncer de pulmão provocado pelo cigarro", sempre fez questão de ressaltar a filha do escritor uruguaio Eduardo Galeano.

Pelos pais e por ter sido ela também vítima dos males do tabaco, Verónica virou porta voz na luta pelo controle do tabagismo. Uma de suas batalhas era pela padronização das embalagens do cigarro. Ela liderou uma petição online com esse objetivo, gravando um vídeo emocionante junto com a ACT Promoção da Saúde.

No workshop do Instituto Lado a Lado, apresentou o vídeo e falou dos planos para que essa mudança se torne uma realidade. "Estamos tentando trocar as embalagens de cigarro no Brasil. Já está sendo feita a troca em vários países da Europa. Não vai ser fácil, mas é uma questão de tempo"

Ela também comenta em seu depoimento no vídeo sobre o primeiro cigarro, aos 14 anos, para chamar atenção de um garoto. Era mentolado: "Se não fosse mentolado, não dava para engolir toda aquela fumaça".

Sabendo como esse tipo de produto atrais jovens, gravou um novo vídeo, pedindo ao Supremo Tribunal Federal para proibir os aditivos de aromas e sabores. Uma mensagem emocionante que começa com a frase "Por todas as meninas". Sua luta era para evitar que outras pessoas vivessem esse mesmo drama.

Verónica foi diagnosticada com câncer de pulmão em 2004. Em um de seus vídeos, conta que assim como tantas pessoas, parou de fumar muito antes do diagnóstico e achou que estava fora de perigo: "O câncer demora para matar, mas a nicotina é muito rápida para viciar".

Ela faleceu no dia 17 de fevereiro. Mas sua mensagem de otimismo vive para sempre. O Instituto Lado a Lado pela Vida agradece a honra de tê-la como parceira.