Ginecologista defende aprimoramento e serviço de excelência

Ginecologista defende aprimoramento e serviço de excelência

O ginecologista é geralmente o primeiro contato da mulher na descoberta de um câncer de ovário. Por isso, para o cirurgião ginecológico Renato Moretti é essencial que esse profissional esteja preparado para diagnosticar precocemente. "Esperar sintomas é muito tardio", alerta. Esse foi um dos principais pontos destacados por dr. Moretti em sua apresentação no workshop que lançou a campanha de Combate ao Câncer de Ovário do Instituto Lado a Lado pela Vida.

O médico citou alguns exemplos de métodos que podem ajudar a ter o diagnóstico mais precoce, como um projeto nos Estados Unidos em que desenvolveram um sistema de pontuação para os sintomas para saber o risco da mulher ter câncer de ovário.

Outro ponto para o qual dr. Moretti chama atenção é para a necessidade desse atendimento ser feito em locais de excelência. Ele cita como exemplo a Alemanha, em que as mulheres com câncer de ovário são tratadas preferencialmente em seis centros. Ele sugere que o Brasil repense o formato de atendimento, se a quantidade de centros é ideal e lembra a necessidade dessa especialização.

"É uma doença pouco frequente, precisa de tratamento em local de qualidade, centro de alta complexidade, com aconselhamento genético, imagem, laparoscopia, equipe multidisciplinar oncológica e não oncológica - com especialidades cirúrgicas e clínicas - UTI e reabilitação", cita o médico. "De que adianta garantir sobrevivência se não dou qualidade de vida? Precisamos de serviço de excelência".

O cirurgião ginecológico citou estudos reforçando a importância dos centros de excelência, onde os profissionais são mais preparados porque acompanham diversos casos e acumulam bastante experiência. "Estudos apontam que se uma unidade trata menos de 21 casos por ano, a taxa de sucesso de cirurgia é baixa".

"Precisamos reconhecer o problema, entender o que é melhor para a paciente e oferecer o melhor com excelência", conclui.