Entendendo melhor os riscos do radônio

Entendendo melhor os riscos do radônio

Yula Merola, colaboradora do Projeto de Pesquisa de Câncer e Radiação Natural, coordenadora do curso de Farmácia da Faculdade Pitágoras de Poços de Caldas, explicou que o radônio é a segunda causa de câncer de pulmão - a primeira em não fumantes. "Em algumas regiões do mundo é responsável por 20% dos casos de pulmão".

A pesquisadora citou ainda que o radônio tem como fontes os gases do solo, água de poço e materiais de construção. "Essa é uma discussão que temos hoje, os materiais de construção como emissores de radônio. Um grande emissor é o granito, mármore, que usamos muito em residências".

O radônio é um gás radioativo liberado durante o decaimento natural de tório e urano. "Temos no Brasil um solo rico em tório e urano".

Conforme Yula, esse gás atinge principalmente casas mais antigas, entrando pelas frestas e sendo inalado pelas pessoas. "Quando tem partículas grandes de gás radônio, elas ficam presas na cavidade nasal. As partículas menores conseguem chegar nos tecidos pulmonares".

Lembrando que os Estados Unidos e a Europa têm fatores de definição de medição de radônio, ela disse que não há no Brasil. "Não existe levantamento nacional. Precisamos de políticas de investigação para mapear e incentivo à construção de edifícios resistentes ao gás".

O risco no ambiente de trabalho

Os perigos que existem no ambiente de trabalho que podem contribuir para o desenvolvimento do câncer de pulmão foi o tema do advogado mestre em Direito, Estado e Constituição pela Universidade de Brasília (UnB) João Gabriel Lopes, durante o workshop. Ele usou como exemplo um caso em que atua, Caetité, com trabalhadores de mineração.

João Gabriel enumerou várias falhas de segurança e inúmeros riscos da exposição ocupacional dos trabalhadores a radionuclídeos e ao radônio. "O trabalhador deve ter proteções especiais".

O advogado citou exemplos de falhas em atos de prevenção que deveriam existir, como na troca de vestuário, que possibilita que o trabalhador leve a contaminação para sua casa e à comunidade. Também relatou casos de terceirizados atuando sem Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e sem treinamento. "Os princípios do direito ambiental do trabalho são: proteção, precaução, prevenção, poluidor - pagador - responsabilidade objetiva do empregador e acesso à informação".

Conforme João Gabriel, o Ministério Público do Trabalho ajuizou ação civil pública e os advogados do Sindimine ações de indenização individual. "A preocupação é com a comunidade geral. Passamos para o Ministério Público Federal".