A importância do teste genético para o diagnóstico do câncer de ovário

A importância do teste genético para o diagnóstico do câncer de ovário

"Aproximadamente 10 a 15% dos casos de câncer de ovário estão associados a mutações nos genes BRCA1 e BRCA2, caracterizando nessas mulheres a Síndrome de Câncer de Mama e Ovário Hereditário", alerta a oncologista Maria Nirvana da Cruz Formiga. Por isso é tão importante a realização de teste genético para as pessoas que têm fator de risco para câncer hereditário. Esse foi o tema abordado pela médica durante o workshop de lançamento da campanha de Combate ao Câncer de Ovário do Instituto Lado a Lado pela Vida.

Dra. Nirvana avisa que "todo câncer é genético, mas nem todo é hereditário". O próprio envelhecimento pode levar à mutação do material genético e o organismo tem mecanismos de reparo. O câncer acontece quando os mecanismos do organismo, por falha, não conseguem corrigir a célula e o material genético começa a se modificar. "Quando é hereditário, as mutações não ocorrem só no tumor. Desde a primeira célula tem alteração".

Conforme a oncologista, quem tem mutação genética hereditária costuma desenvolver o tumor mais jovem, por volta de 40 anos.

"Todas as pacientes com diagnóstico adenocarcinoma de ovário devem ser encaminhadas para avaliação Oncogenética e testadas quanto à presença de mutações nos genes BRCA1 e BRCA2, com intuito de identificar pacientes com predisposição hereditária a câncer, implementando medidas de prevenção e rastreamento para novos tumores relacionados à síndrome na paciente e nos familiares também portadores da mesma alteração genética hereditária", explica dra. Nirvana. "O conhecimento das mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 no câncer de ovário também são importantes para a terapia oncológica, uma vez que há drogas que atuam especificamente no câncer de ovário com mutação em BRCA1 ou BRCA2".

O aconselhamento genético é indicado em situações em que há diversos casos de cânceres na mesma família, casos precoces, entre outros fatores de risco. É feito encaminhamento para o aconselhamento genético, onde é realizado o teste (sangue ou saliva), convocam-se familiares, identificam-se outras mulheres com a situação e o tema mutação é discutido com a paciente.

Como o câncer de ovário não tem rastreamento efetivo, o aconselhamento genético se faz ainda mais importante para o diagnóstico precoce. Nas mulheres que apresenta BRCA mutado, o médico pode indicar ações preventivas, como cirurgia redutora de risco com a retirada de ovário e trompa.

Segundo a médica, o rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que regula os planos de saúde, prevê o teste genético para quem tem parente de 1º, 2º ou 3º grau com BRCA mutado. Nesses casos, o convênio é obrigado a cobrir o custo do exame.