Aplicativo Dr. Cuco ajuda pacientes crônicos no tratamento

Aplicativo Dr. Cuco ajuda pacientes crônicos no tratamento

Segundo levantamento do Ministério da Saúde, cerca de 40% da população adulta brasileira, o equivalente a 57,4 milhões de pessoas, possui pelo menos uma doença crônica não transmissível (DCNT). Essas condições são responsáveis por 72% das causas de mortes no Brasil.

A importância do tratamento contínuo e correto dessas doenças e a falta de informação tanto por parte dos profissionais de saúde quanto dos pacientes motivou a criação do aplicativo Dr. Cuco que permite que o paciente acompanhe seu histórico de saúde e seja estimulado a seguir o tratamento até o final.

"A verdade é que o paciente sai do consultório sozinho. Não existia nenhuma ferramenta para acompanhar o tratamento, que é a parte mais importante. Nosso foco foi pensar em como melhorar a vida do paciente depois que ele sai do consultório", explica um dos criadores do app, Gustavo Comitre.

O Dr. Cuco funciona como uma "enfermeira digital" que lembra o paciente da hora certa de tomar seus remédios, educando-os com conteúdo e informando familiares e amigos quando esqueceu de tomar o medicamento. Além disso, a plataforma oferece um canal de chat para esclarecer dúvidas do usuário.

A interface simples e intuitiva foi testada com diversos pacientes e aprimorada de acordo com o feedback. O aplicativo é gratuito e está disponível para download em dispositivos Android e iOS. A novidade foi selecionada para o 2º Circuito Internacional Einstein de Startups, Programa de Aceleração StartupSC do Sebrae e foi 8º colocado no 100 Open Startups.

O Dr. Cuco não traz benefícios apenas para usuários. O aplicativo armazena e organiza informações importantes sobre o tratamento dos pacientes crônicos, tornando-se útil para indústria, profissionais da saúde e poder público. Hoje, grande parte desses dados são perdidos em sistemas arcaicos que não conseguem acompanhar o histórico de um paciente.

Com as informações geradas ali, será possível, por exemplo, saber se um paciente de alto risco está negligenciando seu tratamento. Desta forma, profissionais poderão ser acionados para intervir e evitar complicações. É uma maneira de salvar vidas e diminuir os custos da Saúde.

 

Segurança Medicamentosa

Muitas pessoas não imaginam a influência que o uso correto do medicamento tem durante todo o tratamento até a cura da doença: tomar a medicação do jeito e nos horários indicados pelo médico, armazenar corretamente. Foi pensando nisso, que o Instituto Lado a Lado realizou, em 2016, o I Fórum sobre Segurança Medicamentosa dos pacientes, que reuniu profissionais, agências reguladoras, pacientes e indústria em uma discussão sobre este cenário no Brasil.

Segundo os participantes, um dos grandes problemas é enfoque precário dado à farmacovigilância na grade curricular de formação dos profissionais da saúde. A falta de dados e de ferramentas para acompanhar e apoiar a jornada do paciente também foi apontada como ponto crítico.

Uma plataforma como a Dr. Cuco tem o potencial para ajudar a preencher essa lacuna, já que reúne dados de forma segmentada e beneficia diretamente os pacientes.