Atividades físicas protegem contra 13 tipos de câncer

Atividades físicas protegem contra 13 tipos de câncer

Não é só o nosso coração que se beneficia das atividades físicas. Um estudo recente publicado na revista da Associação Médica Americana (JAMA) mostrou que suar a camisa reduz o risco de desenvolver 13 tipos de câncer. Pesquisadores analisaram mais de 1,4 milhão de voluntários, entre 19 e 98 anos, e verificaram que o grupo mais ativo, independente de outras características como obesidade e tabagismo, estava mais protegido contra vários tipos de tumores.

Além de confirmar a relação entre exercícios físicos e redução do câncer de cólon, de mama e de endométrio, comprovada em estudos anteriores, a pesquisa também revelou o vínculo com outros tipos da doença.  Os resultados mostraram que há redução de risco para os seguintes tumores: esôfago (-42%), de mama (-10%), de fígado (-27%), de pulmão (-26%), de rim (-23%), de estômago (-22%), de cólon (-16%), leucemia mieloide (-20%), mieloma (-17%), de cabeça e pescoço (-15%), no reto (-13%), de endométrio (-21%) e de bexiga (-13%).

Atividade física não é remédio

Por se tratar de uma alteração genética, é comum associar o desenvolvimento do câncer exclusivamente a predisposições hereditárias.  Embora seja uma das causas - responsável por 5% a 10% dos casos -, estudos clássicos mostram que o estilo de vida pode aumentar as chances de desenvolver a doença. Álcool, cigarro e sedentarismo estão entre os principais fatores de risco.

Apesar dos benefícios da atividade física para afastar a doença, estima-se que 60% dos brasileiros adultos não fazem o mínimo necessário de atividades no dia a dia. Em muitos casos, a decisão de levar uma vida mais ativa só acontece depois que se descobre um problema. "É muito comum a pessoa iniciar a atividade física depois de passar por um susto. Para essas pessoas, o exercício físico acaba se tornando um remédio que ela precisa tomar", explica Alessandra Medeiros, doutora em Educação Física.

A melhor atitude é encarar a atividade como uma medida preventiva, já que ela tem relação comprovada com adaptações benéficas no organismo, como a diminuição da gordura corporal e pressão arterial, aumento de massa óssea e dos níveis de colesterol bom (HDL), redução do colesterol ruim (LDL) e triglicérides e melhora no perfil inflamatório. 

O importante é se movimentar

As atividades a que o estudo se refere são aquelas ligadas ao lazer, de intensidade moderada, como natação, caminhada, corrida. Os voluntários praticavam em média 150 minutos por semana. No Brasil, as diretrizes recomendam, de modo geral, 30 minutos de atividade por dia, que podem ser fracionados ao longo das 24 horas.

A boa notícia, para quem tem a rotina corrida, é que não só os exercícios planejados, de lazer ou os programas de treinamento ajudam a saúde. "Já existem estudos demonstrando que se a pessoa aumenta seu nível de atividade física diária, ou seja, troca o elevador pelas escadas, diminui o uso do carro, aumenta a caminhada, cuida das atividades domésticas, dentre outras atividades físicas, essa pessoa apresentará, sim, uma série de benefícios", esclarece Alessandra.